domingo, 13 de setembro de 2009

Empresas preferem executores sem criatividade

Versa o discurso que as empresas estão loucas para criar novos produtos e assumir a vanguarda do mercado e dos lucros. Versa também que elas investem nos talentos da casa para alcançar objetivo tão essencial à evolução dos negócios e dos ganhos. Uma pesquisa da consultoria Fellipelli com 700 executivos sinaliza que a realidade não é tão eletrizante assim.

O estudo, divulgada pelo CanalRH, o portal de informação mantido pelo grupo VR, identificou que os executivos preferem cumprir ordens e executá-las da forma mais eficiente possível. Nada menos que 58% declararam dedicar tempo e esforço para promover e organizar tarefas. Apenas 9% investem energia na busca de novas idéias.

A consultoria avaliou que a falta de inovadores estaria relacionada a traços de caráter. Primeiro, pouca gente tem perfil arrojado para questionar e empreender. Segundo, a maioria se intimida com a ideia de fazer diferente. Imagina que criar é conceber algo grandioso e não percebe que há inovação em transformar pequenos vícios cotidianos do trabalho

Será que é só por isso?

Talvez a definição de inovação adotada na pesquisa possa explicar melhor tamanha predileção pela introspecção criativa. O inovador “diverge, avalia possibilidades, apoia mudanças, desafia o ‘status quo’, conecta ideias com necessidades e necessidades com ideias”.

Falando francamente: são os chefiados que não estão prontos para falar ou os chefes que preferem não ouvir? Quantos realmente estão preparados para liderar e aproveitar o talento de pessoas que “divergem e desafiam o status quo”? E em que gavetas se guardam os egos? E onde fica o medo de perder a cadeira para o outro? Afinal, se a orientação é valorizar gente criativa como é que os meros executores são maioria e ainda estão lá, bem remunerados e firmes em seus postos?

Sem querer, a pesquisa denuncia uma faceta nebulosa da cultura corporativa brasileira – o culto ao puxa-saquismo. Dizer “sim senhor” ainda é muito mais seguro, confortável e valorizado do que levantar a mão no meio da reunião e contra-argumentar: “discordo e tenho uma sugestão para fazermos mais e melhor”. Talvez seja pelo traço cultural – e não pela deficiência financeira – que a falta de inovação seja um dos piores males das empresas brasileiras.

Por: ASalomão

2 comentários:

Irani Cavagnoli disse...

Olá Salomão
Você colocou o dedo na ferida! Boa parte dos executivos brasileiros prefere ficar na zona de conforto até que não seja mais possível continuar enganando. Neste ponto, eles pulam fora e vão tapear em outra organização. Inovar é criar uma situação de desconforto permanentemente com o status quo. Esta atitude exige talento e coragem para assumir os riscos inerentes a inovação. Tenho abordado em meu blog a questão da importância da mudança de cultura para promover a inovação. (www.cavagnoli.com/irani)
Parabéns!
Irani Cavagnoli

carol_chichetti disse...

A Fellipelli Instrumentos de Diagnóstico e Desenvolvimento Organizacional gostaria de esclarecer que o levantamento é resultado da aplicação do instrumento TMP (Team Management Profile), que identifica os papéis preferidos dos indivíduos no desempenho das funções de trabalho. Ao todo, a ferramenta identifica oito funções principais: consultoria, inovação, promoção, desenvolvimento, organização, produção, inspeção e manutenção. O texto retrata dados reais deste universo de respondentes, não fazendo críticas nem julgamentos, uma vez que as funções abordadas pelo instrumento são preferências de cada um, não havendo o “bom” ou o “ruim”.



A falta de inovadores não está de forma alguma relacionada a traços de caráter e nem denuncia uma faceta nebulosa da cultura corporativa brasileira. O que a pesquisa apontou é que 58% dos entrevistados se preocupam mais com a realização dos produtos e serviços demandados, ou seja, são pessoas racionais, organizadas e orientadas para execução de tarefas.



O segredo do sucesso de equipes de alta performance no mundo todo é o equilíbrio no desempenho dessas funções, de acordo com os desafios apresentados. É importante ressaltar que a competitividade do mercado tende a influenciar fortemente os ambientes corporativos, orientados para resultados e, desta forma, valorizam profissionais com alta capacidade de realização. Como conseqüência, há poucos profissionais dedicados a questões internas, que impactam os resultados apenas de maneira indireta



A Fellipelli Instrumentos de Diagnóstico e Desenvolvimento Organizacional se coloca à disposição para esclarecimentos caso sejam necessários.



Atenciosamente,

Equipe Fellipelli