sábado, 23 de maio de 2009

Transformando compromisso em comprometimento.

Partindo do modelo desenvolvido por Hackman e Oldham (1975), com base nas pesquisas de Turner e Lawrence (1973) e Herzberg (1968), podemos utilizar o JDS (Job Diagnostic Survey) para avaliar a satisfação, motivação e desempenho dos profissionais em uma empresa.

O trabalho destes pesquisadores permite concluir que os talentos de uma empresa transcendem o nível do compromisso formal e passam a apresentar comprometimento se três estados psicológicos estiverem presentes. São eles:

1 - A Significação Percebida – que equivale ao grau com que o indivíduo percebe a importância, o valor e o aspecto significativo do trabalho que realiza;

2 - A Responsabilidade Percebida – que equivale ao grau de responsabilidade que o indivíduo experimenta frente aos resultados do seu trabalho;

3 - Conhecimento dos Resultados do Trabalho – que equivale à compreensão que o indivíduo possui quanto à efetividade do trabalho que realiza.

O contrato de trabalho estabelece um compromisso entre o indivíduo e a empresa, mas o comprometimento não é estabelecido pela formalização contratual, porque implica quantidade de energia, valor e esforço extra com que o indivíduo realizará as tarefas estabelecidas pelo compromisso.

Existem vários níveis de contratos. Os contratos informais estabelecidos moralmente entre líderes e liderados são muito mais profundos que os formalizados juridicamente.

Precisamos envolver os colaboradores da maneira mais ampla possível, permitindo que o trabalho seja significativo (favoreça a auto-realização), envolvente e responsável (favoreça a interdependência) e gratificante para o indivíduo (através de estímulo, feedback e reconhecimento).

Quando transformamos compromisso em comprometimento estabelecemos um vínculo psicológico de resultado moral entre lideres e liderados, promovemos o encontro entre os objetivos pessoais do indivíduo e os objetivos “impessoais” da organização. Nas palavras de Peter Senge, agindo assim, estamos estabelecendo um sonho coletivo!

Este vínculo psicológico, na forma de sonho coletivo, permite:

- Satisfação geral com o trabalho;
- Auto-motivação para o trabalho;
- Produção de trabalho de alta qualidade;
- Redução do absenteísmo e da rotatividade.

Na execução de Coaching temos que ter em mente a fundamental importância de gerar um alto nível de significação, responsabilidade e conhecimento dos resultados a serem atingidos. Somente assim podemos preparar indivíduos para desempenharem em alta performance as suas competências. Relembrando Viktor Frankl: “as pessoas estão em busca de sentindo”.

Por: Amauri Nóbrega

Faça seu comentário!

4 comentários:

Thaynara Barros disse...

Adorei!
Grande Abraço!

Thaynara Barros disse...

Dá uma olhada nisso: http://acao.globo.com/Acao/0,23167,GTS0-3776-335095,00.html entrevisa com a empreendedora social, Leonora Mol, presidente da associação Ateliê de Idéias, no programa Ação com Serginho Groisman, hoje pela manhã.

Leonel Pontes disse...

Thaynara,
Muito bom o vídeo com Leonora Mol sobre a Associação Ateliê de Idéias.
Obrigado pela contribuição, sempre que quiser nos mande dicas de matérias e idéias para o nosso blog!
Abraços,

Equipe Café Empreendedor

Fernando de Sá Leitão disse...

Artigo excelente, meu amigo Leo!