quinta-feira, 16 de abril de 2009

Com ou sem Crise Econômica

Os meios de comunicação têm-nos dado tantas informações referente à crise econômica que geram dúvidas no meio empresarial. Perguntas tais como: Será que o meu negócio será atingido? Se for atingido que impacto sofrerei? Será que minhas vendas cairão? Terei que demitir pessoas? Faltará matéria-prima? Terei recursos suficientes para expandir a minha atividade?

Essas podem ser algumas dúvidas que podem passar pela mente do empreendedor. Porém, independente se a crise virá ou não, o empresário deve ter em sua mente alguns conceitos para aplicar em sua empresa de forma permanente. Executar as ações do Planejamento estratégico e monitorá-lo constantemente contribui para identificação antecipada de futuros problemas.

O Planejamento é importante, porém, é igualmente importante a gestão, o monitoramento. Podemos aqui, falar das metas, objetivos a serem alcançados, indicadores de desempenho, da criação do Mapa de Indicadores, e tantas ferramentas que auxiliam o empresário a gerir melhor a sua empresa e conseqüentemente a obter os melhores resultados. Todos nós sabemos que existem fatores internos e externos à empresa que contribuem para melhorar ou diminuir os resultados da empresa. Neste momento, vamos falar um pouco sobre um fator interno que poucas empresas dão importância de forma sistemática que é a eliminação ou diminuição do Desperdício e que são recursos que se escoam de forma quase imperceptível e que ao longo do tempo podem gerar a descontinuidade da empresa.

Os especialistas listam a existência de 7 (sete) tipos de desperdícios presentes nas empresas e que passam desapercebidos ou não monitorados de forma permanente. São eles: Defeitos, Estoque, Processo, Espera, Movimento, Transporte, Excesso de produção.

Estes desperdícios existem em qualquer atividade econômica, seja ela, indústria, comercio ou serviços, basta pequenos ajustes. Abaixo relatamos rapidamente o que envolve cada um destas dimensões do Desperdício.

1 – Defeito: pode estar em produtos acabados, ou semi acabados – isto pode ocasionar devoluções em excesso e como conseqüência a perda de tempo e retrabalho.

2 – Estoque: a forma como estocamos a matéria prima, produtos semi-acabados ou acabados, também podem gerar desperdícios, pela quantidade, pela necessidade de espaço físico, pelo número de itens que precisam ser monitorados, pela forma de armazenamento e assim por diante.

3 – Processos: imaginemos uma indústria cujo processo de fabricação tem um alto grau de peças danificadas, existem no mínimo 6 (seis) motivos que podem causar este prejuízo. Pode ser máquina, pessoas, o método de execução, a própria matéria prima, o ambiente de produção, a maneira de medição ou de controle do processo produtivo. Cada um merece um tratamento específico. No comercio imaginemos o processo de vendas, normalmente o cliente deseja um bom atendimento, rapidez, fácil acesso ás mercadorias, bom preços e assim por diante. Logo este processo pode gerar desperdícios e devemos ficar atentos.

4 - Espera ou fila: está relacionado com duas coisas fundamentais das empresas que são: tomada de decisão e tempo. A falta de tomada de decisão gera desconforto psicológico na equipe e no cliente o que normalmente acaba afetando a imagem da empresa e isto é danoso. A falta de tomada de decisão além de causar perda de tempo que não se recupera. Costumamos dizer que dinheiro você perde hoje e ganha amanhã, porém, tempo se você perder hoje não recupera amanhã. Embora alguns defendam que a fila ou espera está embutida no brasileiro, ninguém gosta de filas. Acabar com a fila tanto de processos como pessoas é fundamental para diminuir os gargalos e ganharmos tempo.

5 – Movimento: estudar os movimentos das pessoas em suas atividades é fundamental, para reduzir desperdícios, além de diminuir os tempos entre as atividades, é necessário verificar se os movimentos não estão gerando fadiga nas pessoas, isto algo do dia de trabalho, faz com que haja perda da eficiência e conseqüentemente da produtividade.

6 - Transporte: é necessário observar se materiais, documentos, produtos e pessoas, não “passeiam” demais e desnecessariamente dentro da empresa, analise os fluxos.

O excesso de produção, o próprio nome diz se não há previsão de vendas, provavelmente o estoque vai aumentar, haverá necessidade de mais espaço físico de armazenagem, seu capital de giro diminuirá, haverá necessidade de buscar mais recursos de financiamento e começa uma bola de neve.

Várias são as ferramentas que existem no mercado para ajudar o empreendedor a melhorar o seu desempenho, por exemplo, o SEBRAE possui, o Programa D´Olho na Qualidade, que pode ajudar a sua empresa a prosperar.

Apesar disto, a mudança de comportamento para tratarmos o desperdício que é tanto aplicado nas empresas deve ser aplicado em casa, como por exemplo o desperdício com a água, que passa pelo excesso de água no lavar as calçadas ou os carros como os vazamentos das torneiras, com alimentos quando se compra mais do que se consome, da energia, quando deixamos a televisão ou as lâmpadas acesas desnecessariamente, as roupas e calçados que compramos e pouco utilizamos e outras coisas mais. Com atitudes como esta com certeza estaremos contribuindo para em caso da crise nos atingir, diminuímos o seu impacto em nossas vidas. Já que teremos demonstrado a nossa responsabilidade social e ambiental.

Agnaldo Castanhero
Consultor – SEBRAE/PR

2 comentários:

masalles_82 disse...

Caro Agnaldo Castanhero,
Essa é uma matéria para ser lida e relida mensalmente.

Tornei-me empresário empreendedor há pouco tempo, e dentre minhas preocupações como novo empresário são: de como manter a empresa sempre preparada para as oportunidades do mercado; as inovações estratégicas de marketing e divulgação dos serviços buscando alavancar o quadro de clientes; e os processos da empresa (atento aos desperdícios).

Marcelo Fazenaro Salles
Sócio-empreendedor da empresa Comunica Geral.

masalles_82 disse...

Caro Agnaldo Castanhero,
Essa é uma matéria para ser lida e relida mensalmente.

Tornei-me empresário empreendedor há pouco tempo, e dentre minhas preocupações como novo empresário são: de como manter a empresa sempre preparada para as oportunidades do mercado; as inovações estratégicas de marketing e divulgação dos serviços buscando alavancar o quadro de clientes; e os processos da empresa (atento aos desperdícios).

Marcelo Fazenaro Salles
Sócio-empreendedor da empresa Comunica Geral.